Sábado, 7 de Abril de 2007

felicidade

Ela conhecia tão bem as ruas da sua cidade, mas todos os dias percorria aquele caminho, talvez porque da avenida larga que seguia, gostava de espreitar por um tal beco estreito e sem saída. Havia dias que ganhava coragem e dobrava aquela esquina.

Lá ao fundo aparecia sempre aquela parede de tijolo vermelho. Às vezes parecia-lhe enorme, outras em bicos de pés quase poderia ter espreitado, invariavelmente, fitava-a imóvel.  Sabia o que existia por trás, já lá tinha estado, mas já não se lembrava com clareza de todos os cheiros, de todas as cores.

Havia ocasiões que encontrava uma raposa em cima do muro, o bicho olhava para ela com olhos incompreensíveis: Que fazia aquele ser inteligente ali, mais uma vez?

E ela pensava: De que lhe valia uma raposa? Uma raposa não lhe poderia estender a mão para trepar, ou descrever-lhe o que se passava naquele outro cenário que não via.

Um dia encontrou um menino trocista, sentado com uma perna de cada lado de dois espaços que não se tocavam, como cavalgando algo que ela não dominava, parecia-lhe tão confiante assim, a contemplar um mundo, que instintivamente soube que ambos sonhavam não ser duro e frio e opaco . Sumidamente, na voz mais doce que tinha, no tom mais forte que conseguia, pediu-lhe: - Psst, que fazes aí? Ajuda-me a subir.

Ele olhou-a incrédulo, já a vira surgir vezes sem conta, mas não tinha a certeza de ela ser capaz de o ver ou ouvir, talvez por sentir demais, como ele. E estendeu-lhe os braços, mas nem os maiores braços do mundo a conseguiriam alcançar de tão alta que aquela parede escura se fizera.

Cansados ficaram um momento a observarem-se, e pela primeira vez, em muito tempo, viram o mesmo, reflectidos, numa ilusão que duraria o tempo que quisessem.

Por fim, ele triste e zangado,cobrou-lhe: - Já estou aqui há tanto tempo, porque não saltaste enquanto o muro era muito menor que nós?

- Não sei, se calhar estava a olhar para trás - respondeu-lhe, sem pensar. E ele calou-se, sabia o que era ter os olhos turvos de incertezas.

- Salta tu para esse lado! - disse-lhe em desespero, irritada, e na esperança que ele murmurasse suavemente: Sem ti não faz sentido...

 


publicado por agoraeu às 02:18
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De filipemetelo a 29 de Abril de 2007 às 23:41
gostei muito e acredito no final feliz, apesar de ficar em aberto! escreves muito bem... (que inveja - da boa claro!)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. Irreal

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. I'd Rather Dance With You

. 32 e a estatística próxim...

. ...

. ...

. o silêncio

. about you

. ...

. surrealismo inconsciente

. Stuck

. ...

. És feliz?

. comunicado idiota que só ...

. ...

. definição de medo

. insónias

. real

. Deixa que a moral da hist...

. ...

. ...

. tempo

. ...

. felicidade

. ...

. ...

. 31

. heterônimos e tentativas ...

. amor

. ...

. Células e estatísticas

. Mau feitio

. coragem gasta pelo tempo

. ...

. Fim da Luta

. caminho fácil

. mif

. fácil de entender?

.arquivos

. Julho 2017

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2013

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

SAPO Blogs

.subscrever feeds